The Bible gets clear when we consider the historics happening. And it has to be thus because "AND THE WORD BECAME FLESH AND DWELT AMONG US". Bible Code in detail see: WWW.HOPETALK.ORG. A Bíblia fica clara quando levamos em consideração os acontecimentos históricos. E deve ser assim porque "O Verbo se fez carne e habitou entre nós". Código em detalhe: WWW.BIBLIA.COM.BR | Baixe livros grátis, visite o site www.varandadelivros.com |

sábado, 22 de agosto de 2015

O REPOUSO NO DOMINGO

O REPOUSO NO DOMINGO

Eu quero começar parabenizando os Católicos, pois apesar de não concordar com eles sobre o dia de repouso, há uma honestidade em seus teólogos. Nos documentos da Igreja eles são claros em dizer que mudaram as solenidades do sábado para o domingo. Isso eles não escondem de ninguém. Quero também, em poucas palavras contar a história do domingo. Eu quero dizer: vou contar como o primeiro dia da semana foi batizado com o nome domingo.
Roma antes mesmo de sonhar de um dia ser cristã adotou o Deus Sol no seu panteão. Os babilônios adoravam o deus Shamash (deus sol) no primeiro dia da semana. Não só os babilônios, mas outros povos importantes do mundo antigo davam importância e endeusavam o sol. Talvez por ser um astro potente e importante para a vida. A religião de mistério nascida nos tempos da era helenística chamada mitraísmo nasceu na região persa, popularizou-se entre os romanos e ganhou importância no tempo do crescimento do cristianismo. Elas, mitraísmo e cristianismo, rivalizaram no tempo do império romano. Os soldados romanos tinham uma paixão pelo mitraísmo. Os imperadores adaptaram essa religião a sua realidade chamando-a de Sol Invictus. Roma era mística e no centro do seu misticismo estava o sol.
Quando Roma se ‘converteu’ ao cristianismo não abandonou seu troféu: o sol. Constantino e seus sucessores exigiram esse afago aos seus deuses passados. Daí começou o trabalho dos intelectuais: encaixar o dia do sol e eliminar as aparências do judaísmo no cristianismo. Quanta incoerência: abandonar ‘coisa’ do povo do Cristo, para colocar, encaixar ‘coisa’ de povo do Anticristo. Tem muitos ‘cristãos’ que ainda hoje briga com unhas e dentes por isso.
A história eclesiástica e geral não deixa ninguém ficar equivocado quanto ao fato que o domingo é a marca registrada da Igreja Católica Apostólica Romana. A Igreja antes da união com o Estado manteve a indicação bíblica do dia de repouso no sétimo dia, ou seja, no Sábado. Não só o dia, como muitas outras práticas que a influência pagã do Estado exigiu uma mudança radical. O Sínodo de Laodiceia, considerado por alguns estudiosos como Concílio de Laodiceia, baniu o Sábado. Esse Sínodo aconteceu entre os anos 363-364 A.D. e discutiu 60 cânones e o cânon 29 trata justamente sobre a confirmação da guarda do domingo e da anamatização da guarda do sábado. Em outras palavras, os cristãos, até aquela época guardavam o sábado bíblico.
Mais de duas décadas antes, no Concília de Niceia, uma exigência imperial foi aceita em que “estabelecem universalmente o primeiro dia da semana como dia sagrado, o nome do primeiro dia da semana foi modificado de Prima Feria para Dies Domenica. Decisão mantida pela maioria das denominações cristãs até a atualidade” (Wikipédia.org). Para os idiomas de origem latina a denominação mascarou a intenção a qual é clara nos demais idiomas de povos não tão ligados ao cristianismo como o inglês em que SUNDAY é Sun= sol e Day= dia, ou seja, dia do sol.
Se você olhar os concílios desde Niceia em 325, perceberá que a Igreja Católica Apostólica Romana veio construindo seu corpo doutrinário. E cada concílio renunciava verdades bíblicas e abraçava mentiras, ou “verdades” pagãs.
Hoje, em pleno século XXI, a luta é para se provar que o domingo não é uma verdade. O Papa Francisco está ultrapassando os muros da Igreja Católica para levar o seu principal ensinamento a todo mundo (cristão e não-cristão), pois com esse ensino estará prestando uma obediência a seus deuses (pagãos) e uma rebeldia ao Deus Criador. A homenagem do dia pagão não virá pelo viés religioso, mas por outros caminhos. Pouco importa para eles, pois se o mundo aceitar, seus deuses estarão sendo homenageados e Deus estará sendo desrespeitado.


A profecia de Apocalipse é clara em dizer que a Igreja do Estado não se contentará só em legislar em favor do domingo, mas imporá pela força, a todos; religiosos e não-religiosos, a respeitar e descansar no Domingo. O argumento que o Papa Francisco está usando é a questão do clima. Todo o mundo está comprando esse argumento furado. Ele é astuto como a serpente foi com Eva. Francisco se utiliza dos livros do Pentateuco que fala do Sábado para justificar a guarda do Domingo. Ele citou em sua encíclica Deuteronômio 25 para convencer o mundo religioso e não-religioso a parar toda e qualquer atividade no Domingo. Esse seria um dia OFF; um dia ecológico!
Caro leitor; está na hora de você rever o seu dia de repouso. Hoje quase todos os cristãos estão indo e repousando no domingo. Poderíamos dizer que há uma discussão de 30 milhões X 2 bilhões. Se representarmos de outra forma ficaria assim: 30.000.000 X 2.000.000.000. Há aproximadamente 30 milhões de pessoas no mundo que repudia a ideia de descansar no primeiro dia da semana, pois o domingo é um dia religioso pagão.
A controvérsia mundial se dará quanto à obediência em torno do dia de repouso. Parece uma coisa muito simples, mas não é. Ou você vai obedecer ao Estado, ou você vai obedecer ao que a Bíblia diz. No ápice da controvérsia do fim dos tempos o Estado legalizará as igrejas cristãs que respeitarão o dia dedicado para salvar o planeta e perseguirá os crentes que discordarem dessa ideia; ou melhor, do dia escolhido. O Estado terá um mecanismo de te cobrar isso. Antes de Jesus voltar os homens devem se voltar para a Bíblia. As mentiras da pseudo-religião cristã devem ser confrontadas com as verdades imutáveis de Deus.
Quem você vai obedecer?

Discussão do livro: CÓDIGO 7, O Cristo e O Anticristo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário